Dependência e Destruição ambiental na Amazônia: da superexploração às lutas sociais

Atualmente, a Amazônia é o bioma com a maior biodiversidade disponível no planeta. Com tamanha abundância natural de toda ordem, o capital dominante a enxerga como um lugar a ser explorado, entendendo que essa biodiversidade é um recurso que deve ser utilizado para a (re)produção de mercadorias, enquanto que as comunidades amazônicas a percebem como um meio voltado para a sua existência. A Teoria Marxista da Dependência(TMD), em meio à expansão do capital, traz elementos que concernem à dominação das economias dependentes pelos países centrais, que, retirando a sua autonomia, faz com que os países periféricos atendam às necessidades do capital dominante. Esse arcabouço teórico nos auxilia a compreender que a degradação ambiental torna-se ao mesmo tempo condição e consequência dessa ordem econômica mundial e, a Amazônia, sendo a maior fronteira econômica a ser absorvida pelo capital, encontra, em uma conjuntura de superexploração ambiental, resistências organizadas que desaceleram o processo de exploração, denunciando a forma contraditória como o sistema que nos rege trata a natureza e o humano como mercadorias, enquanto a classe trabalhadora grita por uma nova ordem socioeconômica global.

A partir dessa compreensão e abordagem,  no dia 12 de junho em Marabá, diante o XXIX ENEP, o GT-TMD ofertará mini-curso a ser ministrado pelo prof. Dr. Armando Tafner, docente na UNIFESSPA

Armando é economista graduado na Universidade Estadual de Maringá(UEM); Mestre e Doutor pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará (NAEA/UFPA). Tem como tema de pesquisa a Expansão da Fronteira Agropecuária em direção à Amazônia e os Conflitos Socioambientais que resulta deste movimento.

Seguem os detalhes:

Data: 12 de junho das 9h ao meio-dia

Lugar: UNIFESSPA Campus III

Prof.: Armando Tafner

A participação é gratuita.

Mesa online inaugural com Adrián Sotelo “DIALÉTICA DO DESENVOLVIMENT O CAPITALISTA DEPENDENTE e SUPEREXPLORAÇÃO DOTRABALHO NO SÉCULO XXI”

É com imensa alegria que o Grupo Permanente de Estudos e Pesquisa Trabalho, Questão Social e Serviço Social: expressões do conservadorismo na formação
social brasileira (GPEPTQSS) vinculado ao Núcleo Interinstitucional de Estudos e Pesquisas sobre Teoria Social, Trabalho e Serviço Social
(NUTSS/UFF) e o Programa de Pós- graduação em Serviço Social e
Desenvolvimento Regional (PPGSSDR/UFF) convida a tod@s para participar do “Ciclo de Estudos e Debates virtuais e presenciais: Dialética da
Dependência, Superexploração da Força de Trabalho e Divisão Sociossexual e Racial do Trabalho Doméstico Feminino no Brasil”.

Amanhã terá lugar a mesa inaugural:“DIALÉTICA DO DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA DEPENDENTE e SUPEREXPLORAÇÃO DO
TRABALHO NO SÉCULO XXI com ADRIÁN SOLETO VALENCIA” e mediação da Camilla
Nogueira (pós doutoranda em Política Social/UFES) a ser realizado no dia 15.09.23
às 18:00, de forma virtual, pela plataforma meet com o link a ser enviado
aos inscritos. Inscrições pelo link: https://forms.gle/c4aMyE6LWjHwVaZj8

Superexploração e formas de precarização do trabalho na América Latina com Adrián Sotelo

Confira a entrevista com o prof. Adrián Sotelo Valencia, publicada no canal do GT TMD

Entrevista com Adrián Sotelo Valencia sobre “Superexploração e formas de
precarização do trabalho na América Latina” realizada em julho de 2017, na
Cidade do México.

Adrián Sotelo Valencia é sociólogo, pesquisador do Centro de Estudos
Latino-Americanos, da Faculdade de Ciências Políticas e Sociais da
Universidade Nacional Autônoma do México (Cela/Unam).

Entrevista de Camilla Nogueira
Edição de Marcos Morais
Apoio do Grupo de Trabalho da Teoria Marxista da Dependência – SEP

Teoria Marxista de la Dependencia, Capital Ficticio y Crisis Social – Palestra com transmissão ao vivo do prof. M arcelo Carcanholo

No próximo dia 29, o prof. Dr. Marcelo Dias Carcanholo fará palestra com o tema “Teoria Marxista de la Dependência, capital fictício y crisis social”, com transmissão ao vivo.

Marcelo Carcanholo foi, por diversas vezes, presidente da Sociedade Brasileira de Economia Política (SEP), e compõe sua diretoria no presente. É professor associado de Economia na Universidade Federal Fluminense.

A atividade está organizada pelo Semillero de Investigación: problemas urbanos contemporáneos (PUC), vinculado à Universidad Pedagógica Nacional .

Acompanhe pela página do Semillero no Facebook, em https://www.facebook.com/Puc.upn .

Debate atual sobre a teoria da superexploração travado na Revista da SEP

Um importante debate sobre a teoria da superexploração está sendo travado na Revista da SEP, com os artigos na sequência.

O debate gira em torno da compatibilidade dessa teoria de Marini com a teoria de Marx e é uma excelente oportunidade para pesquisadores próximos ou vinculados à temática da TMD aprofundar seus estudos e revisitar Marx.

http://revista.sep.org.br/index.php/SEP/article/view/108
[Teoria da exploração e da superexploração da força de trabalho em O capit
al (Livro I) de Marx – Carlos Alves do Nascimento, Fernando Frota Dillenburg, Fábio Maia Sobral]

http://revista.sep.org.br/index.php/SEP/article/view/192
[Uma teoria da superexploração da força de trabalho em Marx? Um Marx que nem mesmo ele tinha percebido – Hugo Figueira Corrêa, Marcelo Dias Carcanholo]

http://revista.sep.org.br/index.php/SEP/article/view/246
[Capital: um drama para ser lido, relido e… ouvido – Carlos Alves do Nascimento, Fernando Frota Dillenburg, Fábio Maia Sobral]

 

(texto original de Tiago Camarinha Lopes)