Dependência e Destruição ambiental na Amazônia: da superexploração às lutas sociais

Atualmente, a Amazônia é o bioma com a maior biodiversidade disponível no planeta. Com tamanha abundância natural de toda ordem, o capital dominante a enxerga como um lugar a ser explorado, entendendo que essa biodiversidade é um recurso que deve ser utilizado para a (re)produção de mercadorias, enquanto que as comunidades amazônicas a percebem como um meio voltado para a sua existência. A Teoria Marxista da Dependência(TMD), em meio à expansão do capital, traz elementos que concernem à dominação das economias dependentes pelos países centrais, que, retirando a sua autonomia, faz com que os países periféricos atendam às necessidades do capital dominante. Esse arcabouço teórico nos auxilia a compreender que a degradação ambiental torna-se ao mesmo tempo condição e consequência dessa ordem econômica mundial e, a Amazônia, sendo a maior fronteira econômica a ser absorvida pelo capital, encontra, em uma conjuntura de superexploração ambiental, resistências organizadas que desaceleram o processo de exploração, denunciando a forma contraditória como o sistema que nos rege trata a natureza e o humano como mercadorias, enquanto a classe trabalhadora grita por uma nova ordem socioeconômica global.

A partir dessa compreensão e abordagem,  no dia 12 de junho em Marabá, diante o XXIX ENEP, o GT-TMD ofertará mini-curso a ser ministrado pelo prof. Dr. Armando Tafner, docente na UNIFESSPA

Armando é economista graduado na Universidade Estadual de Maringá(UEM); Mestre e Doutor pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará (NAEA/UFPA). Tem como tema de pesquisa a Expansão da Fronteira Agropecuária em direção à Amazônia e os Conflitos Socioambientais que resulta deste movimento.

Seguem os detalhes:

Data: 12 de junho das 9h ao meio-dia

Lugar: UNIFESSPA Campus III

Prof.: Armando Tafner

A participação é gratuita.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *